Além do Brasil, saiba como as famosas e típicas festas juninas são comemoradas em outros países do mundo!

 

É impossível passar pelo mês de junho sem lembrar uma das principais tradições do país: festas juninas. As comemorações surgiram na Idade Média para homenagear três santos populares: Santo Antônio (dia 13), São João (dia 24) e São Pedro (dia 29). Desde então, as festas são ícones culturais de países como Portugal, Espanha, França, Ucrânia, Polônia, Austrália, partes do Reino Unido e Brasil.

Trazidas pelos colonizadores portugueses, até hoje as festas juninas fazem parte do folclore nacional, especialmente no Nordeste, onde surgiram costumes como a roupa caipira e as comidas feitas com milho (olha o umami aí!). “Também são muito populares no interior de São Paulo, com pequenas adaptações culturais, como a música sertaneja ao invés do forró nordestino”, diz Renata Machado Soares, professora do curso de gastronomia da Estácio.

 

Veja também: Receita de paçoca

Porém, antes da chegada dos portugueses, os nativos que habitavam o Brasil já tinham rituais durante o mês de junho. “Os índios possuíam celebrações ligadas à agricultura, com cantos, danças e muita comida. Com a vinda dos jesuítas portugueses, os costumes indígenas e o caráter religioso dos festejos juninos se fundiram, atribuindo características próprias às festas do país”, complementa.

É por essa razão que no Brasil são homenageados os santos católicos e oferecida uma variedade de pratos feitos com alimentos típicos nativos. “Já a valorização da vida caipira vem da organização da sociedade brasileira até meados do século 20, quando 70% da população viviam no campo”, acrescenta Renata.

Sobre os fatores que conferem tanta notoriedade às populares festas juninas do Brasil, a professora acredita que estejam associados ao empenho das famílias rurais, principalmente das famílias da região nordestina, que se dedicam o ano inteiro para a produção dessas festas. “Isso faz com que a celebração no Nordeste seja tão aclamada e esperada por todos.”

Entre os alimentos mais simbólicos da celebração está o nosso queridinho milho, alimento umami muito versátil, que além de servido cozido, pode ser usado para fazer bolos, curau, pamonha, pipoca, cuscuz etc. Outras comidas típicas não podem faltar e são conhecidas pela maioria dos brasileiros, como a canjica, o amendoim, o arroz doce, a cocada, o pé-de-moleque, a paçoca, além do pinhão cozido e de bebidas como o quentão e o vinho quente.

 

Festas juninas pelo mundo

Portugal

Fogos de artifício, sardinhas assadas (mais umami!), música pelas ruas e as batidas com martelinhos de plástico ou alho-poró (sim, eles pegam um ramo da planta para azucrinar durante as festas!) nas cabeças das crianças são tradições muito características de Portugal. “Além das ruas cheias, da decoração e dos comes e bebes, em Lisboa é muito comum a realização de casamentos múltiplos no dia de Santo Antônio”, conta Renata.

Suécia

Uma das mais famosas do mundo, seus costumes foram difundidos para outros países da Escandinávia e a celebração possui o mesmo caráter rural das festas brasileiras. “Comidas em abundância, frutas e legumes da época, como morangos e batatas, não faltam na mesa. Ao invés da fogueira, as pessoas se reúnem ao redor de um mastro, o majstången, para entoar cantos tradicionais”.

Ucrânia

Conhecida como Ivana Kupala (Ivan seria o equivalente russo de João), ocorre entre os dias 23 de junho e 6 de julho. Apesar de atualmente ser uma festa da Igreja Ortodoxa, possui características pagãs. “Celebram-se o fogo, a água, a fertilidade e a purificação. As mulheres jogam flores nos rios para terem sorte. É de lá que vem a tradição de pular a fogueira”, conta Renata.

França

Com muitas características pagãs, a festa é comemorada no dia 24 de junho. O que mais impressiona na comemoração do país é a enorme fogueira para homenagear o “Sant Jean”. Ao invés de paçoca e canjica, predominam o queijo (olha o umami!) e o vinho. “Foi na França que surgiu a quadrilha original: a dança quadrille, típica das festas portuguesas e brasileiras”, finaliza a professora. 

Conheça duas receitas que podem ser feitas para as festas juninas, uma salgada e uma doce, fornecidas pelo setor de gastronomia da Faculdade Estácio de Sá:

Paçoca salgada de pinhão

Bolo de queijo com cobertura de paçoca