Além do gosto em si, com impacto salgado e final umami, existe explicação química para a nossa paixão pelo parmesão. Descubra qual!

 

image-4222

Se tem uma coisa que consegue ser gostosa por natureza e, de quebra, ainda dar uma “levantada” no que está ao seu redor é o queijo parmesão, um dos alimentos com mais umami em sua composição.

Pegue um pedaço desse queijo e coma prestando bastante atenção. Ele consegue provocar diversas sensações em apenas uma mordida. Sentimos primeiro um gosto frutado, seguido de um leve salgado e finalizado com o gosto umami, que permanece por mais tempo na boca.

 

Veja também: Como conservar o parmesão em casa

Quanto mais maduro, mais gostoso. Quando se trata de queijos, a maturação é, basicamente, o processo de perda de umidade. Sem a umidade, o gosto tende a sobressair, pois a concentração de glutamato livre, substância responsável pelo gosto umami, aumenta.

Além do gosto, o queijo parmesão provoca a percepção de outras duas sensações importantíssimas para o paladar: o aroma e a textura. Ambos são essenciais para que um alimento ou prato seja apreciado, principalmente o primeiro, já que 80% do sabor vêm pelo que sentimos por meio do olfato, e não pela língua, como tendemos a pensar.

Apesar de ter um gosto intenso, seu aroma é marcante e bastante equilibrado. Já a textura quebradiça revela pequenos “cristais” esbranquiçados que dão certa crocância ao queijo. Esses cristais também são resultado de maturação, assim como a cor bastante amarelada (quanto mais “vivo” for o amarelo, mais maduro está o parmesão).

Ser conhecido do brasileiro também contribui para sua apreciação. Como estamos acostumados a degustá-lo, salivamos só de olhar. Fora toda a teoria científica em torno dele, temos uma importante qualidade gastronômica: o queijo parmesão é versátil, o que o torna uma ótima opção.

Sozinho, ele é uma delícia como petisco, principalmente acompanhado de vinho. Ralado, dá um toque especial às massas. Salpicado em cima dos pães de queijo e baguetes, torna-os ainda mais irresistíveis, e para os pratos gratinados, é sempre a primeira opção.