Entenda qual é a importância de amamentar e como o gosto umami já está presente em nossa vida antes mesmo de nos darmos conta!

 

Breastfeeding baby
image-4144
Os seres humanos, após o desmame, se diferenciam dos demais mamíferos por continuarem consumindo leite. Com presença cada vez maior no mercado de trabalho, muitas mulheres vão deixando a amamentação em segundo plano ou até mesmo deixam de fazê-la. Muitas mães têm que recorrer ao leite em pó e suplementos para substituir a alimentação – por falta de tempo, recusa do bebê ou necessidade de complementação. No entanto, apenas o leite materno é capaz de oferecer benefícios essenciais para o desenvolvimento do bebê, além do gostinho único que ele tem. Nesse caso, a oferta de leite materno do banco de leite dos hospitais de referência é uma opção.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) recomenda que as crianças sejam amamentadas durante os primeiros seis meses de vida. Nesse período, o leite materno deve ser seu único alimento.

 

Leite materno contribui para imunidade

Mas por que o leite materno é tão importante? O Ministério da Saúde explica que o aleitamento funciona como uma espécie de vacina, protegendo a criança de muitas doenças, como a anemia. Além disso, a presença do Nitrogênio não proteico (NNP), ajuda no desenvolvimento do intestino do bebê, pois eles possuem pequenos peptídeos, ureia, creatinina, ácidos nucléicos, aminoácidos livres, entre outros elementos. A concentração do glutamato, que confere gosto umami no leite, aumenta após os três primeiros meses de aleitamento, chegando a constituir aproximadamente 50% do total dos aminoácidos livres, é essa alta concentração que garante funções fisiológicas importantíssimas para o bebê.

Uma pesquisa realizada com 65 mulheres equatorianas concluiu que as mães devem alimentar seus filhos até, no mínimo, os seis meses de vida exclusivamente com leite materno. “Uma das muitas funções do glutamato no nosso corpo é o auxílio na divisão celular. Nós renovamos o nosso intestino, aproximadamente, a cada cinco dias, por isso, o glutamato que os bebês ingerem através do leite materno é extremamente importante para o seu desenvolvimento intestinal”, explica o autor da pesquisa e professor da Universidade de Quito e Ph.D em imunologia e nutrição, Manuel Baldeón. Além disso, em situações de estresse intestinal o glutamato atua eliminando parte dos radicais livres e protegendo o órgão de danos funcionais e estruturais, ou seja: o umami é parceiro da saúde desde o nascimento!

Além de todos esses pontos positivos, o ato de amamentar ajuda na formação da arcada dentária ao promover o ato de sucção, o que traz melhorias no desenvolvimento da fala e da respiração do bebê. A recuperação da mãe também melhora quando há amamentação: os riscos de hemorragia, anemia, diabetes, câncer de mama e ovário são reduzidos. E o melhor: amamentar ajuda a mãe a perder os quilinhos que ganhou durante a gravidez e estreita os laços maternos.