Manter uma dieta balanceada é crucial para a maior longevidade.

Outubro de 2019 – Cada fase da vida merece atenção e cuidados específicos, principalmente a famosa “melhor idade”. Nesse momento, a cautela precisa ser redobrada, uma vez que o processo de envelhecimento demanda mais cuidados por parte dos idosos e de seus familiares.

A pós doutoranda em nutrição pelo Hospital Israelita Albert Einstein e parceira do Comitê Umami, Ilana Elman Grinberg, ressalta que, nesta fase, é natural ocorrerem limitações no desejo de se alimentar. “Isso acontece devido a diversos fatores como redução da função mastigatória, alterações na percepção do paladar e no fluxo salivar, além do comprometimento dos dentes ou próteses dentárias, o que pode acarretar no desequilibro da alimentação”, explica.

De acordo com Ilana, deve-se observar a consistência das preparações para que seja possível uma ingestão alimentar adequada. Os idosos ou seus familiares devem estar atentos ao consumo adequado dos grupos alimentares para evitar um estado de desnutrição.

Investir em uma alimentação saudável não só proporcionará melhorias no organismo, mas também influenciará na qualidade de vida e longevidade do idoso. Pensando nisso, Ilana separou três dicas de cuidados na terceira idade. Confira:

Beber bastante água

Uma das características do envelhecimento é a diminuição da sensibilidade à sede, o que pode acarretar em desidratação. Como os idosos podem não sentir sede, a especialista afirma que, para evitar esse problema, é necessário haver oferta durante o dia. “A recomendação de ingestão de dois litros diários se faz presente, caso não haja restrição hídrica, o que pode ocorrer devido a problemas cardiológicos ou de função renal”, explica.

Manter uma dieta nutritiva

Promover uma alimentação balanceada fará com que o organismo responda positivamente, aumentando a qualidade de vida. “Alimentos nutritivos e ricos em proteínas e minerais devem estar presentes na alimentação. Carnes, peixes, tomate e queijo, por exemplo, são ricos em glutamato, substância que faz com que seja possível sentir o umami, quinto gosto básico do paladar humano”, comenta.

A especialista complementa que tais alimentos ajudam em uma aceitação maior por parte dos idosos, uma vez que apresentam características que realçam o sabor das preparações e aumentam a salivação.

Estar atento à escolha do ambiente

A escolha do local para realizar as refeições faz toda a diferença. “Muitas vezes, os idosos se sentem sozinhos na hora de preparar e consumir as refeições. A presença de um familiar ou amigo pode ser muito benéfica. Um ambiente alegre e bem iluminado também pode melhorar a ingestão e o prazer de se alimentar”, finaliza a especialista.

UMAMI
É o quinto gosto básico do paladar humano, descoberto em 1908 pelo cientista japonês Kikunae Ikeda. Foi reconhecido cientificamente no ano 2000, quando pesquisadores da Universidade de Miami constataram a existência de receptores específicos para este gosto nas papilas gustativas. O aminoácido ácido glutâmico e os nucleotídeos inosinato e guanilato são as principais substâncias umami. As duas principais características do umami são o aumento da salivação e a continuidade do gosto por alguns minutos após a ingestão do alimento. Para saber mais, acesse www.portalumami.com.br e acompanhe também pelas redes sociais facebook.com/ogostoumami e instagram.com/ogostoumami.

INFORMAÇÕES PARA IMPRENSA
Race Comunicação
(11) 2548-0720 / 2894-5607
Evelyn Spada e Wilson Barros
umamiteam@agenciarace.com.br