peixe tomate

Determinados nutrientes elevam os níveis de serotonina do organismo e podem ajudar os ansiosos a relaxar.

A ansiedade é a manifestação de um medo ou desconforto em relação a situações de risco, tensão e incerteza. Até certo ponto, é uma resposta biológica normal e comum a todo organismo humano. No entanto, a ansiedade excessiva pode prejudicar a saúde e a vida social do indivíduo. É aí que ela se torna uma doença e precisa ser tratada.

Alguns alimentos regulam os níveis de hormônios que interferem nas sensações de relaxamento e estresse, por isso são recomendados para ajudar os ansiosos a manter a calma, ou, pelo menos, a apaziguar os efeitos físicos desse quadro.

Em primeiro lugar, é importante conhecer os nutrientes que favorecem a produção de neurotransmissores capazes de regular a sensação de bem-estar: a vitamina C diminui a secreção de cortisol (o hormônio do estresse); vitaminas do complexo B ajudam o organismo a converter um aminoácido chamado triptofano em serotonina, hormônio responsável pelo humor; a taurina é outro aminoácido que o organismo utiliza para regular naturalmente os níveis de ansiedade, e o magnésio melhora a qualidade do sono, reduz a tensão dos músculos e também ajuda a produzir serotonina. Além desses, substâncias como a camomila e a passiflora (encontrada no maracujá) são calmantes naturais capazes de relaxar o organismo e regular o sono.

Desse modo, veja a seguir uma lista com alimentos ricos em tais nutrientes:

● Vitamina C: frutas cítricas (acerola, limão, laranja), mamão, kiwi, morango, além de vegetais como brócolis e pimentão.

● Vitaminas do complexo B: abacate, cereais integrais (arroz integral, cevada, aveia, centeio, gérmen de trigo, milho), peixes como o salmão, avelã e vegetais verde-escuros, como espinafre, rúcula e agrião.

● Aminoácido triptofano: açaí, tomate (umami!), cereais integrais (sobretudo quinoa e aveia), leguminosas como feijão, lentilha, grão-de-bico e soja, oleaginosas (nozes, castanha-do-Pará, amendoim), leite, ovos e derivados, peixes e outras carnes de corte magro (umami mais uma vez).

● Aminoácido taurina: encontrada em carnes magras e peixes, que também são umami, essa substância estimula a produção de um neurotransmissor chamado GABA, que tem efeito sedativo sobre o sistema nervoso central.

● Magnésio: castanhas, amêndoas, chia, alcachofra, beterraba e cereais integrais.

Alguns alimentos se destacam. A banana concentra altos níveis de vitamina B6, triptofano e magnésio. Rico em ácido fólico, o espinafre, além de atuar como um antidepressivo natural, ajuda a eliminar resíduos químicos oxidantes produzidos em excesso pelo funcionamento do cérebro. Os carboidratos provenientes de cereais integrais e frutas de sabor mais adocicado contribuem para elevar os níveis de açúcar do sangue, contribuindo para dar a sensação de bem-estar e disposição.

Obviamente, este texto não poderia deixar de fora o chocolate. É fato: ele é mesmo rico em flavonoides, um tipo de antioxidante que estimula a produção de serotonina, e pode nos fazer sentir bem. Entretanto, possui alto teor de açúcar e, como alguns ansiosos tendem a desenvolver compulsões alimentares, o consumo deve ser restrito. É preferível o chocolate amargo, mais rico em flavonoides e ao mesmo tempo menos calórico.

E que alimentos evitar?

A ansiedade pode ser entendida como um estado de hiperexcitação do sistema nervoso, por isso é importante abster-se do consumo de substâncias estimulantes. A cafeína, presente no café, no chá preto, chá mate, em energéticos, guaraná e refrigerantes à base de cola, deve ser evitada, pois provoca insônia e irritabilidade.

Além disso, é importante evitar o álcool. Bebidas alcoólicas dificultam a absorção de vitaminas e minerais utilizados na sintetização de neurotransmissores responsáveis pelo humor. Também provocam uma sensação de euforia que pode intensificar os desconfortos físicos provocados pela ansiedade.

Mais importante do que evitar determinados alimentos, no entanto, é combinar uma alimentação saudável e balanceada a exercícios físicos regulares. A prática de atividade física reduz os níveis de cortisol e ajuda a fazer a manutenção de neurotransmissores responsáveis pela sensação de relaxamento e prazer.