Importante aliada da gastronomia japonesa, a alga Kombu é umami e traz muitos benefícios para a saúde!

kombu

Nem todo mundo sabe, mas as algas não servem apenas para envolver sushis e temakis. Elas são bastante versáteis e podem ser utilizadas em sopas, saladas, recheios ou até como aperitivos. Particularmente, a Kombu – muito presente na gastronomia asiática – é uma das mais umami e, de quebra, ainda traz diversos benefícios à saúde.

Assim como as outras algas marinhas, a Kombu tem uma grande quantidade de minerais que absorve do mar. Em especial destacam-se o cálcio, que ajuda na formação de ossos e dentes, na coagulação sanguínea e na memorização; o ferro, que reduz o risco de ocorrência de anemias e o iodo, que garante o bom funcionamento da tireoide.

A Kombu também auxilia na digestão e no adequado funcionamento do intestino. Isso porque possui fibras que não são digeridas no intestino e que, por consequência, aumentam a sensação de saciedade. Devido aos altos níveis de aminoácidos essenciais, que respondem pelo gosto umami, também é fonte de proteínas.

A alga contém, ainda, uma série de vitaminas como a K que, além de possuir função anti-hemorrágica, também ajuda a manter o bom funcionamento do sistema gastrointestinal; A, C, E e B12, que aumentam a imunidade, ajudam nas reações metabólicas, são antioxidantes, melhoram a cicatrização e previnem diversas doenças.

Um pouco de história

Muitos mistérios envolvem a origem da alga Kombu. Tudo indica que ela já era utilizada durante o período Jomon (primeira civilização japonesa), que se encerrou em 200 a.C.. Porém, a literatura japonesa registrou pela primeira vez a existência da Kombu no século VIII, na região de Tohoku.

No Período Muromachi (de 1336 a 1573) foram criadas novas técnicas de conservação e cultivo, principalmente com o objetivo de aumentar a vida útil da alga, que até então era muito pequena. Assim, a cidade de Tohoku passou a exportá-la para outras regiões do Japão.

Foi só durante o Período Edo (1603 a 1868), quando os japoneses de Honshu colonizaram Hokkaido, no extremo norte do país, e abriram novas rotas marítimas, que a alga foi finalmente difundida por todas as regiões do Japão. Até hoje, aproximadamente 90% da alga Kombu são cultivados em Hokkaido.

A Kombu é utilizada como um dos ingredientes base para preparar o caldo dashi. Você pode não conhecer pelo nome, mas certamente já provou em restaurantes japoneses, já que é um dos temperos mais utilizados pela culinária do país. Foi por meio da análise do caldo que o cientista japonês Kikunae Ikeda, em 1908, descobriu a existência do gosto umami , que tem o incrível poder de realçar o sabor dos alimentos (saiba mais aqui), tornando seu dia a dia à mesa muito melhor.