Pacientes com câncer podem ter dificuldade para se alimentar. Veja uma sugestão de cardápio oncológico para manter a nutrição adequada durante o tratamento.

 

Um dos principais obstáculos enfrentados por pacientes em tratamento oncológico está relacionada a sua alimentação. Os enjoos muitas vezes dificultam a ingestão e o apetite vai embora. Mas é num momento complicado como esse que manter-se bem nutrido se torna ainda mais importante.

Já é sabido que uma alimentação saudável, equilibrada e com antioxidantes contribui muito para o tratamento de pacientes oncológicos. Alimentos como peixes, algas, legumes e verduras possuem nutrientes que podem auxiliar no combate aos radicais livres e toxinas derivadas de medicamentos. “Além de serem responsáveis pelo quinto gosto, garantem uma melhor qualidade de vida para o paciente”. A afirmação é de Priscila Rosa, nutricionista pós-graduada em nutrição materno-Infantil, fisiologia do exercício e nutrigenômica.

 

Veja também: Alterações do paladar no tratamento contra o câncer

 

Mas, nessa fase, é comum sofrer alterações na produção de saliva, que dificultam a ingestão e digestão de alimentos. Muitas vezes, os pacientes perdem o apetite, fragilizando ainda mais o organismo. Por isso, Priscila aconselha que se invista na apresentação dos pratos. “O ideal é fazer uma combinação bem bonita, para atrair aos olhos do paciente. O prato deve ter cinco cores diferentes”. Evite frituras, pois causam náuseas e má digestão.

Para a dieta dos pacientes, a nutricionista indica alimentos saudáveis, que estimulem o paladar e o apetite. “Para o café da manhã, uma boa opção é o ovo, composto por aminoácidos que beneficiam a síntese de proteínas e ajudam a manter a imunidade fortalecida e preservar a massa muscular. As castanhas do Pará também são ótima alternativa, pois possuem selênio, um mineral com elevado potencial antioxidante e regenerador de tecidos.”

Já no almoço, proteínas como as dos peixes são bastante indicadas. É importante acrescentar cereais integrais, como o arroz integral ou 7 grãos, fonte de vitaminas do complexo B que favorecem o funcionamento do sistema nervoso. “Além disso, crucíferas, como brócolis e couve-flor, auxiliam no combate a processos inflamatórios, neutralizam processos tumorais e são fonte de vitamina C, D, cálcio, ferro, magnésio, potássio e fósforo”.

No lanche da tarde, uma opção é se deliciar com uma fatia de bolo de milho, que além de possuir o quinto gosto bastante acentuado, é bem aceito por crianças que estão em fase de tratamento. E capriche em um jantar bem umami. “O paciente pode comer uma omelete com cogumelos, queijinho parmesão e tomatinho picado. Os cogumelos são alimentos altamente nutritivos que também favorecem a imunidade e conferem sabor ao prato”, diz Priscila.

Como recomendação final, Rosa orienta que a seleção dos alimentos e temperos e a preparação dos pratos sejam feitas da maneira mais natural e caseira possível. “E lembre-se de sempre fazer a higienização adequada”.

Abaixo, confira o cardápio oferecido pela nutricionista Priscila Rosa.

 

Café da manhã

Suco antioxidante com 200ml de água de coco natural, 1 folha de couve orgânica, ¼ de maçã verde, 1 pedacinho de gengibre, 1 cenoura orgânica e um punhado de salsinha.

1 ovo orgânico mexido

1 fatia de pão sem glúten para acompanhar

 

Lanche da manhã

Saladinha de frutas orgânicas (melão, mamão e kiwi)

2 castanhas do Pará

 

Almoço

Salada de folhas, tomate em rodelas e pepino, temperada com limão e sal

Arroz 7 grãos ou integral

Peixe grelhado

Feijão preto

Brócolis e couve flor cozidos

 

Lanche da tarde

1 fatia de bolo de milho

Chá verde com abacaxi

 

Jantar

Sopa de abóbora japonesa com cenoura e alga kombu

Omelete com cogumelos, queijo parmesão e tomate picado